Amamentação: 5 dicas valiosas para a pega perfeita

Estamos na semana mundial da amamentação!!! Sabemos do inúmeros benefícios do aleitamento materno para a mamãe e para o bebê. Porém, algumas vezes esse ato de amor não é tão simples e natural… E aí uma ajuda de um profissional experiente na área é muito bem vinda! Assim, convidamos a Fga. Isa Crivellaro para dar algumas dicas sobre a pega correta durante a amamentação. 

Quantas mulheres sentem ou já sentiram dor ao amamentar? Quantas não desistem de amamentar seus bebês por esse motivo? Embora mamar seja um comportamento instintivo, é muito comum que mães e bebês precisem de auxílio nos primeiros dias para que o processo de amamentação flua como deve ser. Nesse sentido, adequar a pega do bebê, ou seja, a maneira como ele abocanha a mama, é fundamental e pode fazer toda diferença nesse processo.  
Uma pega adequada favorece a correta extração do leite e, consequentemente, o ganho de peso adequado, além de evitar que a mãe sinta dor ao amamentar. Como sempre digo, acertar a pega é meio caminho andado e por isso resolvi compartilhar essas cinco dicas valiosas com vocês: Tire tudo que possa estar entre você e o bebê: mantas, casacos volumosos, paninhos, bicos de silicone: qualquer coisa que distancie o bebê da mama ATRAPALHA. Como eu sempre digo, para amamentar não são necessários aparatos e quanto maior o contato corporal entre mãe e bebê, melhor a fluidez do processo. Posicione o bebê corretamente: independentemente da posição que a mãe adote durante a mamada (e existem várias, vale a pena testar todas e encontrar aquela em que mãe e bebê se sintam mais confortáveis!), um bebê não consegue mamar direito se está mal posicionado. Desta forma, é MUITO importante que a cabeça e o corpodo bebê estejam sempre alinhados, de frente para a mãe e apoiados em suas mãos e braços. Um bom posicionamento faz com o mamilo fique na altura do nariz, cabeça do bebê discretamente inclinada para trás e permite que o queixo do bebê encoste a mama. 11830922_10153059160722475_157510698_nAjude o bebê a abocanhar a aréola: o bebê deve abocanhar a maior parte da aréola (principalmente a parte inferior) e, nesse sentido, é possível auxiliarmos o bebê fazendo uma prega nas mamas com a mão em forma de C com os dedos polegar é médio. Vale também estimulá-lo a abrir bem a boquinha, por meio do toque em região oral antes da mamada (lábios, bochecha) desencadeando o reflexo de busca, ou com o próprio dedo polegar durante a mesma (e isso pode ser feito quantas vezes forem necessárias ao longo da mamada).
Identifique e ajuste pequenos detalhes que fazem toda a diferença: os lábios do bebê devem estar virados para fora (a famosa boca de peixinho!) e a língua deve envolver o bico do seio (às vezes é possível visualizar a pontinha da língua envolvendo o mamilo enquanto ele mama). Atenção às covinhas e aos barulhos durante a sucção: tem algo errado na pega, pois isso não deve acontecer! Mesmo nos casos em que os mamilos já estão fissurados, um ajuste na pega reflete uma melhora imediata da dor. Busque auxílio de profissionais da área e realmente comprometidos com as mães que desejam amamentar: vejo com muita freqüência orientações inadequadas no que tange à amamentação. Além disso, os mitos acerca do assunto, infelizmente, desempoderam e frustram muitas mães. Contudo, é importante se ter em mente que amamentar de maneira plena é absolutamente possível e muitas vezes uma ajuda profissional nesse início conturbado da maternidade pode fazer toda a diferença.

Por Isa Crivellaro – Mãe da Alice e da Olívia, fonoaudióloga, consultora em amamentação e autora do Blog Tetê nosso de cada dia.

http://tetenossodecadadia.blogspot.com.br/