Apraxia de Fala na Infância

Dia 14 de maio comemora-se o Dia de Conscientização sobre a Apraxia.
Mas, o que é esta patologia que está cada vez mais conhecida?
A apraxia é um distúrbio neurológico que interfere na produção motora dos sons da fala. O que fica mais alterado é a precisão e a consistência dos movimentos que são necessários para produzir os sons sem que existem alterações nos músculos.
A apraxia NÃO é apenas um distúrbio de fala é um distúrbio MOTOR. Dessa forma, é um distúrbio instável, dinâmico e que pode persistir até a vida adulta.
Como é feito o diagnóstico?
O profissional indicado para o diagnóstico é o Fonoaudiólogo, já que é um distúrbio que afeta o desenvolvimento da fala, porém, avaliações com outros profissionais, como médicos (pediatra, neurologista, geneticista), terapeutas ocupacionais e psicomotricista são de extrema importância.
Em que idade é possível fazer o diagnóstico?
É muito difícil diagnosticar crianças com menos de 2 anos. Geralmente, crianças em investigação diagnóstica ficam em terapia por algum tempo para confirmar o diagnóstico. A avaliação envolve diversos aspectos, desde o histórico coletado com a família até provas específicas para investigação das habilidades de linguagem dessas crianças, além de investigação dos aspectos simbólicos e de motricidade oral.
Quais os sinais de que uma criança tem apraxia?
Desde cedo é possível perceber. São bebês que são mais quietos e que os pais referem que balbuciam muito pouco, as primeiras palavras são mais tardias depois de 1 ano e 2 meses, geralmente a criança tem ótima compreensão, consegue entender tudo o que é falado com ela, mas não se expressa muito bem. Há a dificuldade em produzir os sons da fala corretamente, e muitas vezes as crianças não conseguem imitar a fala de palavras e frases, alguns movimentos orais também são difíceis de serem reproduzidos. Além de outros sinais.

apraxia texto

Como é feito o tratamento?
O tratamento fonoaudiológico deve ser realizado com um profissional especialista em linguagem, e segue o curso do desenvolvimento da linguagem. O trabalho envolve algumas propostas de intervenção, como a escolha dos sons a serem trabalhos e os tipos de pistas dados. Existem alguns métodos que auxiliam no trabalho, como o PROMPT. O importante é que as terapias fonoaudiológicas se foquem na programação motora da fala, sempre dentro de um contexto comunicativo adequado.
Em algumas situações o tratamento fonoaudiológico sozinho não é suficiente, e as crianças precisam também de terapia ocupacional, psicomotricidade e até auxílio de psicólogos e psicopedagogos, mas, bem como o tratamento fonoaudiológico, a necessidade individual deve ser analisada e o plano de trabalho deve ser individualizado de acordo com a necessidade de cada criança.
Infelizmente, no Brasil, a apraxia de fala ainda não é tão conhecida e divulgada. Na dúvida, procure sempre um fonoaudiólogo. As crianças com apraxia precisam de voz. Seja uma voz para essas crianças!