Não precisa gritar!!!

Como conversar com alguém com perda auditiva?

É uma questão complexa, pois cada pessoa é uma pessoa (óbvio!) e existem diferentes tipos de perda auditiva e, portanto, diferentes necessidades.

Considerando que a pessoa se comunique pela linguagem oral, ou seja, use a fala como meio de comunicação (e não sinais) e tenha perda auditiva leve/moderada (sem aparelho) ou use aparelho/implante coclear, no geral o conselho mais importante é: Não precisa gritar!

Caso seja solicitado que você repita o que disse, ao repetir não GRITE! Pode até aumentar (um pouco) a intensidade de voz, mas o mais importante é que você fale um pouco mais devagar (não como se a pessoa tivesse algum problema cognitivo) e articulando bem as palavras. Ah, e sempre, sempre fale de frente para a pessoa. Mesmo que ela seja capaz de compreender a fala sem olhar, a leitura labial e das expressões faciais ajudam muito! Aliás, independentemente de ter perda auditiva ou não, a leitura labial é fundamental para a comunicação! Veja no vídeo a seguir o poder que ela exerce na compreensão do som:

Em caso de surdos não oralizados, que usam a LIBRAS como principal meio de comunicação, se você faz parte da maioria dos brasileiros que não domina essa língua, fica um pouco mais complicado, mas não impossível! A LIBRAS é um idioma independente, não é igual ao português, tem morfologia e sintaxe próprias, por isso, conhecer alguns sinais não garante uma comunicação efetiva. Sabendo sinalizar o alfabeto já ajuda, mas imagine conversar com alguém soletrando cada palavra?! Muito cansativo! Então, além de se inscrever em um curso de LIBRAS, você pode se comunicar pela leitura labial, uso de sinais comuns e pela escrita. No caso da leitura labial, é interessante que você use frases curtas e palavras mais simples, seja bem objetivo!

O importante é se comunicar! Não tenha medo ou vergonha de cometer gafes, ruim mesmo é ignorar as pessoas e perder um momento de interação que poderia ter sido importante e prazeroso para ambas as partes!

Recado para os familiares de idosos com perda auditiva: Além da perda auditiva, devido ao envelhecimento, existe o declínio natural da compreensão da fala. Sejam pacientes. Falar de frente, devagar e articulando bem são atitudes imprescindíveis para diminuir o desgaste que muitas vezes ocorre no diálogo e que compromete a relação familiar.